Branda da Aveleira
Aldeia Turistica

  • Alojamento e Turismo rural em Melgaço
  • Casas de campo
  • Serra da Peneda-Gerês, onde a natureza é rainha.

Uma montanha de emoções

Livro de Visitas (testemunhos)

João Cerqueira escreveu...
Gostaria de utilizar este espaço pelas melhores razões, infelizmente isso não é possível depois de ter passado 5 dias na Casa do Piorno, a qual não possui as condições mínimas para a prática de turismo rural.
As condições de higiene e de conforto desta casa são verdadeiramente deploráveis. Começo pela higiene onde encontrámos tudo aquilo que nenhum turista espera encontrar num alojamento que está muito longe de ser barato: pó por todos os cantos, uma frigideira a escorrer um líquido castanho por baixo, uma sanita a escorrer por baixo e a pingar da borracha sempre que se utiliza o autoclismo, canalizações de escoamento da água da banheira entupidas por cabelos de anteriores clientes, um pacote de sal amarelado e em pedra e pacotes de acúcar também empedrecidos da humidade Até um ratinho do campo vi a correr na chaminé, e confesso que no meio de tanto lixo foi o que menos me impressionou! A nível de conforto registo a má qualidade do colchão e o mau estado das molas que me tornaram noites que deveriam ser de sonho em noites de insónia a escorregar para cima da minha companheira, cobertos com um cobertor cheio de buracos e lençóis de poliéster certamente comprados na feira. A isto junta-se um desconfortável, velho e puído sofá cama com buracos de causados por fumadores descuidados. Rígidos bancos de cozinha sem encosto de costas e um quartinho exíguo onde duas pessoas mal se conseguem mexer. Na cozinha, a nível de equipamento, encontrámos no chão a proteção do forno do fogão do qual já desapareceram também dois comandos de bico, uma torradeira que não funciona, um micro-ondas estragado, não existem facas de mesa, a proprietária deixa nos armários para uso dos clientes canecas de cerâmica partidas e rachadas, copos desermanados, etc.Ao contrário do que é dito no regulamento, a proprietária, que dá pelo nome de Patrícia Solhas, e a quem em 5 dias de estadia nunca pusemos a vista em cima, nunca nos levou nem deixou nenhum produto para o pequeno almoço nem ofereceu uma sexta noite grátis de estadia. Que me perdoem os outros proprietários da alojamentos de turismo rural da Branda da Avelelira, pois acredito piamente que nem todos serão iguais, mas este é um local onde não voltarei a pernoitar nem aconselharei nenhum amigo meu a fazê-lo! Irei apresentar também queixa junto do Turismo de Portugal e no Portal da Queixa. Uma nota final, não lembra a ninguém forrar as paredes interiores duma casa rústica de pedra com placas de PVC (plástico)!
Inserido em 24-08-2017 16:00:27
João Monteiro escreveu...
Precisamente 2 anos e 4 dias após aqui ter deixado algumas impressões sobre esta Branda, que também sinto como minha, volto para mais uma vez apelar ao bom senso e à sensibilidade de quem de direito tem mais poder do que eu para decidir sobre o que é feito neste local. Mais uma vez refiro que é bem de louvar o que se tem feito para a sua preservação, no entanto ao longo deste últimos dois anos temos assistido a um aumento substancial da recuperação de casas e naturalmente também de entulho de obras acumulado. É certo que o aspecto desagradável que as obras implicam poderá reverter numa melhoria futura aquando do fim das obras, mas mais uma vez isso só será efectivo caso os responsáveis pelas referidas obras removam eficazmente o entulho em vez de o despejarem (como infelizmente acontece) pelas ribanceiras abaixo sem terem a preocupação de posteriormente o cobrirem. Por outro lado, e mais uma vez me mostro aqui disponível a participar, seria bom que todos em conjunto tivessem a consciência de que a acumulação de qualquer tipo de lixo só pode ser prejudicial, e que portanto não fossem a sua causa e, sempre que possível, o recolhessem, como aliás é prática comum em qualquer país civilizado, tanto mais em locais, onde a preservação da Natureza é um imperativo fundamental para a sua valorização. Preocupação deste apaixonado por este local é também o aumento do número de eólicas, que, sendo aparelhos transformadores de uma fonte de energia ecológica, são também elementos que perturbam e descaracterizam estas paisagens fabulosas, peço pois aos responsáveis políticos por esta situação que tenham o bom senso de atuar no sentido de ultrapassar os limites que se vão mostrando desejáveis. Resumindo e concluindo: é bom desenvolver estas regiões para que o que resta das suas tradições e particularidades culturais não se perca, no entanto é preciso saber fazê-lo com bom senso, sensibilidade e ponderação, para que não seja precisamente esse mesmo desenvolvimento o motor da descaracterização cultural e da perda dos valores que ali mais são apreciados. Bem hajam todos aqueles que, como eu, sentem por este local um carinho especial e que se preocupam com a sua preservação.
Inserido em 25-01-2016 14:58:13
Patrícia Ribeiro escreveu...
Passei um ótimo fim-de-semana na Casa da Bica, que é lunda!!!
Um ambiente de excelência sem dúvida,
Uma receção fantástica!!!
Tudo o que a natureza tem de melhor para nos dar...
Estou completamente encantada e espero repetir em breve.
Inserido em 12-10-2015 09:50:24
Paulo Gerardo Neves escreveu...
Juntamente com uns amigos passei este fim de semana na Casa da Bica com um relax total e com uma beleza surpreendente ao redor! A casa super acolhedora e com fomos recebidos com enorme simpatia com o facto de puder levar a minha cadela! Ainda desfrutamos de um belo almoço no restaurante cerca. Foi um prazer que espero repetir em breve!
Inserido em 09-09-2015 10:04:41
Rolando Costa escreveu...
Passamos este fim de semana nas brandas e ficamos impressionados com a localidade e o trabalho desenvolvido para preservar as suas raízes.
Pessoal muito simpático.
Inserido em 11-01-2015 21:34:43
MARIA DE FÁTIMA P.S.REIS escreveu...
FOI UM FIM DE SEMANA PARA REPETIR SE DEUS DEIXAR...QUE BOM TER UMA CASINHA ASSIM PARA FÉRIAS...OBRIGADA.
Inserido em 27-02-2014 11:46:36
João Monteiro escreveu...
Tendo, após muitos anos de trabalho e procura, finalmente concretizado o sonho de recuperar uma destas cardenhas, que semanalmente visito e cuido com muito carinho e prazer, entristece-me porém observar que quer, Câmara de Melgaço, quer Junta de Gave, quer alguns dos proprietários, quer ainda muitos dos visitantes, não dão, nem o valor, nem têm o cuidado, que um local único como este merece; sem dúvida que a maioria das casas estão recuperadas com gosto e respeito pelas técnicas tradicionais de construção, no entanto nota-se um certo desleixo no que toca à remoção dos restos de construção, aos aterros, à utilização de cercas feitas com esteios de cimento e arame e inclusive a algum lixo (felizmente não muito) que se pode encontrar espalhado pelos campos e caminhos, tudo isto, a meu ver, pequenos pormenores que, algum cuidado e pouco trabalho e dispêndio implicavam para que a nossa Branda revivesse como um local onde a tradição e a cultura de um povo se mantivesse preservada, sem vestígios de coisas feias e anti naturais, com que o nosso mundo globalizado vai cada vez mais impregnando estes espaços. Enfim: é tudo uma questão de bom senso, sensibilidade e amor pela Natureza. No entanto , e apesar destes aspectos menos positivos, bem hajam todos aqueles que se têm empenhado para fazer deste local paradisíaco aquilo que ele é hoje, e mostro-me desde já disponível para colaborar com eles em toda e qualquer iniciativa que tenha em vista a preservação e valorização da nossa Branda da Aveleira.
Inserido em 21-01-2014 14:38:56
JOSÉ M. RODRIGUES, de pseudónimo "JOSÉ SERRANO" escreveu...
BRANDA DA AVELEIRA

Minha Branda d`Aveleira,
Lá no alto, junto aos Céus!
(Sinceramente te digo
Sem um exagero meu),
Tens a riqueza mais linda,
Que Deus jamais ofer`céu.

Da Portela ao Batateiro,
Das Veiguinhas ao Mourim
E ainda, p`ra além Campelo!
És uma joia p`ra mim
Que no Mundo não hav`rá
Uma outra tam linda, assim!

Teus mil metros de altitude,
E teu planalto serrano,
São trunfos que te concedem
Maravilhas todo o ano,
E fazem de ti sem dúvida,
Um "jardim bem Lusitano".

Quando de Inverno te cobres,
Com manto branco de neve,
Of`reces bela paisagem
A qualquer que jamais deve,
Esquecê-la inda que seja
Um paisagista bem breve!

No V`rão és muito dif`rente
Com manto multicolor;
Dás um aspecto de seres
Jardim dum grande Senhor,
Mas teu aroma selvagem
Cheiras mais, cheiras melhor!

Tuas fontes cristalinas
"Invejáveis" com certeza,
Te dariam noutros sítios
Uma fonte de riqueza
Mas não deixavas de ser
Mesmo, assim, mais Portuguesa.

São os ribeiros que tens
Desse Rio Vez a mãe,
E onde há tanta, tanta truta,
E todo o pescador tem
Presa certa e variada
Tantas as vezes que vem...

E essa linda capelinha
À Virgem Santa Maria
Erguida no teu planalto,
É a Senhora da Guia
P`ra guiar os nossos passos
E darmos mais alegria...

Tuas "cercas" e lameiros,
E teus "barbeitos" também
Davam centeio e batata,
Mas hoje quase ninguém
Se ocupa de tais produtos;
- Sinais que este mundo tem! -

Ai! Que lindo o por-do-sol
Nesta Branda da Aveleira;
E o nascer é um primos
Naquela serra altaneia;
Só poderá acreditar
Quem `stiver à sua beira!
Inserido em 16-06-2012 10:58:43

 

Adicionar comentário